Clube Naval de Cascais

PortuguêsEnglish (UK)
 
 

2001 - Atribuição Medalha Naval Vasco da Gama

1. CONSIDERAÇÕES GERAIS

Queremos dar público conhecimento a todos os associados de que foi com grande honra, orgulho e satisfação que o Clube Naval de Cascais foi condecorado pelo Chefe do Estado Maior da Armada, numa cerimonia muito simples, simpática e de grande dignidade como é apanágio da Marinha Portuguesa, a bordo do Navio Escola Sagres, pela atribuição da Medalha Naval de Vasco da Gama, conforme o despacho oficial que transcrevemos:
“Considerando, assim, que ao longo de 60 anos de intensa e constante actividade de divulgação e do ensino das coisas do mar, o Clube Naval de Cascais prestou relevantes serviços e contribuiu de maneira saliente para o prestigio da Marinha, concedo a esta Instituição, nos termos do artigo 3º do Decreto-Lei N.º 49052 de 11 de Julho de 1969, a Medalha Naval de Vasco da Gama“.

Endereçamos aqui e mais uma vez, os nossos agradecimentos a Sua Excelência O Chefe do Estado Maior da Armada, Senhor Almirante Nuno Gonçalo Vieira Matias.

O ano de 2001 foi um período difícil quer a nível da conjuntura, quer a nível da actividade do Clube Naval de Cascais, mas que pensamos ter ultrapassado com resultados satisfatórios, pois vejamos as suas condicionantes:

As condições económicas da Europa e mais particularmente do País deterioraram-se ao ponto de quase se entrar numa crise, não se perspectivando ainda nesta altura a inversão desta situação.

A constante instabilidade política e social mundial, para a qual também muito contribuíram os trágicos acontecimentos dos ataques terroristas aos EUA, de 11 de Setembro.

A situação de indefinição sobre a data do arranque das obras de remodelação das instalações do Clube e do Centro de Alto Rendimento de Vela.

Necessidade de realização do ambicioso calendário de actividade das nossas escolas e equipas de competição, bem como da organização de provas nacionais e internacionais.

A conjugação destes factores levou a que a condução das actividades do Clube fosse tudo menos fácil, pois a nível financeiro revelou-se bastante difícil a obtenção de patrocínios para financiar as operações, contudo conseguiu-se encerrar o exercício com um ligeiro prejuízo.

A todas as entidades que nos apoiaram quer financeiramente através de subsídios ou patrocínios, quer em termos logísticos, sendo de realçar a Câmara Municipal de Cascais, a Junta de Turismo da Costa do Estoril, a Quebramar e a Marcascais, apresentamos os nossos agradecimentos. Neste campo merece também relevo a oferta de uma embarcação, Semi-rigido de 4,5m, com motor de 50hp de consola central, que foi oferecida pelo nosso Comodoro, Senhor Patrick Monteiro de Barros, a quem agradecemos.

Em termos logísticos também tivemos de fazer alguma ginástica para fazer cumprir com sucesso as actividades a que nos propusemos no início do ano, com o estado actual das instalações e equipamentos, nas quais já há algum tempo não se fazem investimentos devido à perspectiva de obras de fundo.

Já no plano dos resultados desportivos o ano de 2001 foi mais uma vez um ano de sucessos, ou seja, de reafirmação de que a nossa aposta nas escolas de vela e nas equipas de competição está correcta e com resultados à vista. Realçamos aqui os primeiros lugares obtidos pelos nossos velejadores nos Campeonatos Nacionais de Escolas de Vela, Optimist, 420, 420 Feminino, Snipe, Dragão e Star, sendo mais adiante comentada a actividade desportiva com maior pormenor.

No que diz respeito à organização de provas, realizaram-se mais de dezoito provas oficiais nacionais e internacionais bem como uma série de outras provas de cariz local, nas quais estiveram presentes um número superior a 1.200 velejadores, sendo de realçar o sucesso do Troféu S. M. El Rey Juan Carlos I, do I Troféu QUEBRAMAR/CHRYSLER, Troféu de Natal e do QUEBRAMAR - Campeonato do Mundo da Classe Internacional 505.

No final do ano o Adjunto da Comissão Executiva para a área desportiva, Senhor Francisco Neto apresentou a sua demissão, tendo decidido assumir um novo desafio que lhe foi endereçado pela Federação Portuguesa de Vela a nível nacional. Gostaríamos de aqui expressar o nosso agradecimento à forma como durante cerca de 6 anos, o Francisco se dedicou ao Clube, congratulá-lo pelos resultados obtidos de que são expressão as prestações dos velejadores das camadas jovens e desejar-lhe os maiores sucessos profissionais e pessoais.

Quanto às novas instalações decidiu o Conselho Geral em reunião havida no dia 3 de Setembro de 2001 proceder a uma reformulação geral do projecto que vinha sendo desenvolvido. Esta decisão deveu-se ao impasse a que se tinha chegado relativamente à aprovação do projecto pelas várias entidades envolvidas, bem como à necessidade de redimensionamento para uma infra-estrutura ajustada às nossas actuais necessidades logísticas e capacidade financeira.

O Município de Cascais na pessoa do seu Presidente bem como todas as entidades envolvidas no licenciamento desta obra foram prontamente informados desta decisão, a qual apoiaram. Em consequência têm sido realizadas diversas reuniões com todas aquelas entidades no sentido de obtermos uma definição mais apurada possível das condicionantes que cada uma impõe ao projecto.

Paralelamente foi solicitado com o apoio do actual Presidente do Município de Cascais um reforço da verba que a “Comissão de Obras da Zona de Jogo do Estoril” atribuiu à nossa obra, estando neste momento disponível para a revisão do projecto e sua construção, uma verba da ordem dos € 1.625.000,00.

Foi já acordado com todas as empresas envolvidas no desenvolvimento da anterior versão do projecto, à excepção da MGS – Mário Guedes de Sampaio Arquitectos, os valores a pagar pelos trabalhos executados, estando neste momento em tramitação burocrática a sua liquidação pela Junta de Turismo da Costa do Estoril.

Adicionalmente à obra do cais a ser realizada pela Marcascais a suas expensas, de acordo com os termos do Decreto Lei nº 335/91, foi acordado com o Município de Cascais que a edilidade assumia a responsabilidade da ligação do cais norte do Clube com o novo cais dos pescadores, o qual representa uma nova área de cais de cerca de 1.000 m2.

Estamos pois convencidos que estarão em breve reunidas todas as condições necessárias para que o início da obra do Centro de Alto Rendimento de Vela e instalações do Clube Naval de Cascais, seja uma realidade.

É nossa convicção que as novas instalações serão um factor determinante para combater a diminuição de associados, pois durante o ano transacto mais uma vez vimos diminuir o número de sócios em 21 unidades, tendência que estamos a tentar combater com a aprovação pelo Conselho Geral de uma redução extraordinária, para vigorar em 2002, do valor da jóia para € 500,00.
No ano 2001 ascenderam à categoria de Sócios Honorários, os Senhores Manuel Maria Leitão Vieira dos Santos, Alberto Calçada Bastos, Alfredo Carlos Taillet Alves, António Manuel Conceição Rocha e António Vasco de Mello Menezes (Conde de São Lourenço).

Foi com grande sentido de pesar, que vimos partir durante o ano a nossa querida sócia honorária Senhora D. Leonilde Silveira que em vida, tantos serviços prestou relevantes e desinteressadamente ao Clube. Ao Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral e a toda a família apresentamos as nossas condolências.

Já no decorrer deste ano deixou-nos também o Senhor Cunha, aqui deixamos uma palavra de apreço pelos 11 anos de colaboração daquela figura que nos habituámos a ver na portaria do Clube. Aos seus familiares apresentamos as nossas condolências.

Ainda uma palavra de agradecimento aos colegas dos Corpos Sociais e a todos os empregados e colaboradores do Clube Naval de Cascais, que sem excepção contribuíram com a sua dedicação e empenho, para o bom funcionamento do Clube e para os êxitos alcançados.


 

2. ACTIVIDADE DESPORTIVA

Apesar das grandes dificuldades em encontrar patrocinadores foi possível ver o Clube crescer em termos desportivos no ano de 2001.

As Equipas de Competição aumentaram tanto em velejadores como em classes, as Escolas de Vela tiveram mais alunos, e o número de velejadores participantes em provas organizadas pelo Clube também aumentou.

Em 2001 o CNC foi o clube com o maior número de licenças desportivas emitidas pela FPV.

Os resultados obtidos pelos velejadores do CNC foram, mais uma vez, excelentes.

2.1. Equipas de Competição

O destaque vai para o regresso da classe Laser para o quadro das Equipas de Competição do Clube. Temos assim garantido que os velejadores saídos dos Optimists podem seguir a sua carreira competitiva, enquadrada pelo Clube, não só na classe 420 mas também na classe Laser.

Da equipa da classe 420 fizeram parte 6 tripulações (12 velejadores). Tomás Champalimaud / João Delgado foram Campeões Nacionais e a dupla Inês Gamito / Catarina Costa foram as primeiras femininas. Esta tripulação venceu ainda a II PAN da classe. No Campeonato de Portugal de Juniores e Mariana Freitas e Mª do Carmo Bustorff classificaram-se em 3º lugar.

As equipas de Optimist alcançaram também os melhores resultados. Com um total de 29 velejadores os nossos Optimists venceram em todas as frentes – Optimist A, Optimist B e Equipas de Escolas de Vela.

Tomás Silva foi Campeão Nacional e 1º no Ranking Regional. João Vidinha foi 3º no Campeonato e 2º no Ranking. Piedade Colaço foi a 2ª Feminina no Campeonato Nacional.
A Equipa de Optimists A colocou 2 velejadores no Campeonato do Mundo e 2 no Campeonato da Europa.

Nos Optimists B, António Matos Rosa venceu o Ranking Regional e ficou em 14º no Campeonato Regional. Participou no Encontro Europeu de Juvenis onde se classificou em 5º lugar.

A nossa Equipa de Escolas de Vela, constituída por Teresa Cunha, Pedro Pires e João Matos Rosa venceu o Encontro Nacional de Escolas de Vela.

2.2. Outras Classes

Não foi só a nível das equipas de competição que os nosso velejadores se destacaram.

Na classe Dragão, que continua a dar o seu grande contributo para a vida desportiva do Clube, na Classe Star que parece querer renascer e na Classe Snipe que ressurgiu em grande força nas águas de Cascais, os nossos velejadores venceram.

Patrick Monteiro de Barros / Pedro Beckert / Paulo Bastos sagraram-se mais uma vez Campeões Nacionais de Dragão. Afonso Domingos / Bernardo Santos foram Campeões em Star e os velejadores da classe Snipe João Barreto e Francisco Andrade classificaram-se em 3º no respectivo Campeonato Nacional.

Em Cruzeiros a participação dos velejadores do Clube foi numerosa e dela há a destacar a tripulação do Infodesporto, liderada por Vasco Serpa, que obteve o 2º lugar no Campeonato Nacional de Cruzeiros e um 13º lugar da classe B no Campeonato do Mundo de IMS.

Em Match Racing, Francisco Neto, Bruno Santos, Tiago Marcelino e Miguel Veludo ficaram em 3º no Campeonato Nacional e 8º na Land Rover Cup.

2.3. Equipa Olímpica

Com o início de um novo ciclo Olímpico, iniciaram-se os contactos para a obtenção de apoios dos velejadores do CNC que enquadram desde já o Projecto Atenas 2004 e que são:

49er – Pedro Andrade e Francisco Andrade
Tornado – Nuno Barreto e Diogo Cayolla
Star – Afonso Domingos e Bernardo Santos

Iniciou-se também o processo de revisão do Protocolo com a FPV, no âmbito da preparação da Equipa Olímpica.

2.4. Organização de Provas

Durante o ano de 2001 foram realizadas pelo CNC 21 provas de Vela Ligeira e 4 provas de Cruzeiros.

Das provas realizadas há a destacar:

Troféu de Natal – Esta prova entrou definitivamente para o calendário das grandes provas de vela ligeira em Portugal. 7 classes, 217 velejadores e clubes do Norte, Centro, Sul e Ilhas e uma representação do Real Club Náutico de Vigo contribuíram para o sucesso destas regatas.

II Open de Vela do Estoril – Quebramar / Chrysler – A entrada dos novos patrocinadores no Open de Vela veio permitir a organização de uma prova de alto nível para Cruzeiros e a realização simultânea dos Campeonatos Nacionais das classes Dragão e Star, enquadrados por um programa social sem antecedentes. È intenção promover esta prova com o objectivo de a enquadrar no circuito Espanhol de Cruzeiros.

Troféu Maria Guedes de Queiroz – 30 tripulações mistas, representando 10 clubes nacionais e 2 espanhóis marcaram o regresso da classe Snipe ás águas de Cascais.

O CNC foi mais uma vez palco de uma importante prova Internacional, o Campeonato do Mundo de 505, que acolheu nas nossas águas 210 velejadores de todo o Mundo entre 22 e 23 de Setembro. Mais uma vez o Clube mostrou ter capacidade para a organização dos mais importantes eventos.

Fiéis á tradição de organização periódica de provas internacionais o Clube candidatou-se, em 2001, á organização do Campeonato da Europa da Classe Star em 2003.

2.5. Escola de Vela

As Escolas de Vela mantiveram o seu nível de actividade tanto a nível de cursos trimestrais como de cursos intensivos. Mais uma vez, cerca de 200 jovens se iniciaram na prática da vela no CNC.

A crescente procura dos cursos de vela veio revelar que é necessário melhorar e aumentar a estrutura da Escola – mais Instrutores, botes de apoio e barcos, no próximo ano.

Quanto aos Cursos de Navegadores de Recreio foram formados 9 Marinheiros, 20 Patrões Locais e 4 Patrões de Costa.

2.6. Protocolo com a Câmara Municipal de Cascais

No âmbito deste protocolo e através da Escola de Actividades Náuticas de Cascais baseada no Clube, 681 alunos das escolas do concelho puderam ter acesso á prática da vela, pranchas á vela e canoagem.

Lido 4293 vezes Modificado em sexta, 19 outubro 2012 14:53

O CNC é membro de

ICOYC Logo Rodape