Clube Naval de Cascais

PortuguêsEnglish (UK)
 
 

2003 - Ano de afirmação nacional e internacional

1. CONSIDERAÇÕES GERAIS

O ano de 2003 foi sem duvida um período de grandes sucessos e afirmação nacional e internacional do Clube Naval de Cascais, pois levámos a efeito três magnificas realizações: a Candidatura Portuguesa à Organização da 32ª America’s Cup, o Portugal Telecom Campeonato Europeu da Classe Internacional Star e a Obra de alargamento e rebaixamento do Cais Norte, com a respectiva ligação ao Cais Sul.

O CNC como promotor da candidatura portuguesa à America’s Cup, foi membro da COAC 2007 – Comissão Organizadora da Candidatura à America’s Cup, comissão esta instituída sob a égide da Presidência do Conselho de Ministros, tendo sido convidado o nosso Comodoro, Dr. Patrick Monteiro de Barros, para assumir a Presidência da COAC, em representação do Ministro Adjunto do Primeiro Ministro.

Apesar de a nossa candidatura não ter saído vitoriosa, estivemos entre os quatro finalistas de um universo de mais de 60 candidaturas, o que é demonstrativo da qualidade da nossa proposta, ou seja, daquilo que Portugal e mais concretamente Cascais pode oferecer para a realização de grandes eventos de vela e ficou ainda comprovada a nossa capacidade organizativa e de mobilização nacional.

Um sinal inquestionável da reputação das condições de mar e vento de Cascais, e do nome que o CNC, enquanto entidade organizadora, granjeiam junto da comunidade velejadora mundial, são as cartas de apoio à nossa candidatura, recebidas de grandes velejadores de renome mundial, como sejam: Vincent Hoecht, Paul Ricard Hoj Jensen, Buddy Melges, Serge Maury, James Schoonmaker, Harry Adler, Mark Reynolds, Peter Siemsen, Robert Scheidt e Torben Grael.

Como resultado do trabalho desenvolvido nesta candidatura e do seu palmarés enquanto velejador e dirigente desportivo, foi atribuída pelo Governo, a medalha de Mérito Desportivo, ao nosso Comodoro, Dr. Patrick Monteiro de Barros, numa cerimónia privada realizada nas nossas instalações no dia, 17 de Dezembro. Aqui deixamos as nossas felicitações ao Dr. Patrick Monteiro de Barros por esta condecoração, a qual a nosso ver é amplamente merecida, por aquilo que tem feito ao longo da sua vida de desportista, em prol da Vela Nacional.

O Conselho Geral do CNC, associando-se à homenagem referida, deliberou por unanimidade e aclamação em 17 de Dezembro, propor aos sócios a atribuição do Estatuto de Sócio Honorário, ao Dr. Patrick Monteiro de Barros.

Em 2003 voltámos a realizar em Cascais um dos eventos mais importantes da prestigiada Classe Star, o Portugal Telecom Campeonato Europeu da Classe Internacional Star.

Este campeonato foi, por todos os intervenientes, considerado um sucesso, do qual é demonstrativo a carta recebida do velejador Norte Americano, Mark Reynolds – “ Thank you very much for hosting such an incredible European Championship ! The event was one the best i have even attended. A standard that all others in the future can be measured too ”.

Aqui agradecemos à ISCYRA – International Star Class Yacht Racing Association, a confiança depositada, com a atribuição ao CNC do campeonato, bem como a todos aqueles que nos ajudaram e sem os quais o evento não teria sido possível.

Muito especialmente ao Grupo Portugal Telecom, pelo patrocínio concedido, bem como todo o empenho colocado pela sua equipa, para que toda a logística do campeonato fosse um sucesso. Uma referência especial também ao apoio recebido da Marcascais, que colocou as instalações da Marina de Cascais à disposição e aos apoios recebidos da Câmara Municipal de Cascais e da Junta de Turismo da Costa do Estoril e Sintra.

Por fim felicitações aos vencedores: os brasileiros Torben Grael e Marcelo Ferreira, e às tripulações portuguesas que correram também pelo CNC: Afonso Domingos, Bernardo Santos; Patrick Monteiro de Barros, Henrique Anjos, Elísio Lourenço e António Carioca.

A outra grande realização do ano, e para nós de tanta importância como as já descritas, foi a obra do Cais Norte, pois representa o início de uma ambição de todos os sócios há muitos anos, que são as novas instalações.

Com esta obra, rebaixamos o Cais Norte, para a mesma quota do Cais Sul, os quais estão agora ligados entre si, procedemos ao seu alargamento, que representam mais cerca de 1.000 m2 de cais e construímos uma nova rampa com uma largura de 12 metros no topo e 8 metros na base. Simultâneamente foi efectuada uma ampla revisão na grua do cais norte e substituída a do Cais Sul, por uma nova, com capacidade de até 4 toneladas. O Clube está assim melhor apetrechado, no que diz respeito a parqueamento e alagem de embarcações.

Ainda no que diz respeito à organização de campeonatos, continuámos a política que vem sendo seguida de forte aposta nesta actividade, nomeadamente nos eventos anuais. Mais adiante refere-se em detalhe as nossas realizações, mas realçamos aqui o sucesso que mais uma vez tiveram nomeadamente, o Open de Vela da Costa do Estoril – Troféu Quebramar Chrysler e o Troféu de Natal.

Continuámos a apostar fortemente na formação de velejadores, desde a Escola de Iniciação, até ao apoio aos velejadores olímpicos, passando pelas equipas de competição do CNC.

Uma especial referência da qual nos congratulamos, foi a condecoração a título póstumo do nosso grande amigo, Manuel Pereira da Silva (Pataca), pela atribuição da Medalha de Bons Serviços prestados ao Desporto Nacional, numa cerimónia, presidida pelo Senhor Secretário de Estado da Juventude e Desporto, durante o Campeonato Europeu da Classe Star. Recebeu a medalha a esposa do Pataca e assistiram para alem da sua família, todos os concorrentes do campeonato e inúmeros sócios do Clube.

Não podemos deixar de comentar que para o ano de 2004, novos desafios se nos deparam, como sejam o início das obras das novas instalações, bem como a candidatura aos Campeonatos do Mundo das Classes Olímpicas da ISAF 2007. O know-how de que dispomos, bem como o trabalho já desenvolvido no passado, levam-nos a acreditar que são projectos ao nosso alcance.

Para finalizar esta introdução gostaríamos de agradecer a todos os membros dos corpos sociais – Mesa da Assembleia Geral, Conselho Geral e Conselho Fiscal – bem como a todos os colaboradores, que com o seu trabalho, dedicação e empenho, contribuíram para que 2003 fosse mais um ano de êxitos, para o nosso Clube.


 

2. ACTIVIDADE DESPORTIVA

Desportivamente o ano de 2003 foi um ano de consideráveis êxitos para o Clube.

- 8 Títulos Nacionais
- 7 Velejadores com Percurso de Alta Competição
- 23 Velejadores representaram o Clube em 11 Campeonatos do Mundo e da Europa
- Foi criado o Centro de Treino de Vela
- O Clube candidatou-se à realização da 32ª Edição da América’s Cup
- O Clube organizou 78 dias de regatas tendo o seu ponto alto na organização do Campeonato da Europa da Classe Star.

Estes êxitos e acréscimo de actividade devem-se ao trabalho incansável de todo o pessoal do Clube nomeadamente dos treinadores e dos adjuntos da Comissão Executiva.

2.1. Equipas de Competição

A Classe Laser colheu os frutos da grande dedicação dos seus velejadores e do trabalho realizado pêlo treinador Gonçalo Carvalho e continuado pela treinadora Maria Krahe. Em Laser Radial vencemos 3 das 4 Provas de Apuramento Nacional realizados e 5 velejadores integraram os 10 primeiros classificados do Ranking Nacional incluindo o 1º lugar – Frederico P. de Mello. No Campeonatos Nacional o Frederico foi 1º e o Duarte Bustorff 2º.

A nível Internacional 7 velejadores da classe Laser participaram no Campeonato do Mundo de Laser Radial Júnior. Das classificações destacamos: Frederico P. Mello – 27º, André Moura – 40º e Duarte Bustorff – 81º. Estes velejadores obtiveram, com estes resultados o acesso ao Percurso de Alta Competição. O Frederico P. de Mello participou ainda no Campeonato do Mundo de Juniores da ISAF ficando em 13º lugar.

Na classe 420 Feminino a tripulação Mariana Freitas / Carmo Bustorff venceram tudo o que havia para vencer: Campeonatos Nacional e de Portugal de Juniores Feminino e Campeonato Nacional Absoluto Feminino. A nível internacional participaram No Campeonato Europeu de Juniores – 52º e no Campeonato do Mundo de Juniores da ISAF – 10ª.

Ainda na classe 420 o destaque vai para a dupla Tomás Silva / António Góis. Ainda no ano de adaptação à classe esta tripulação confirmou já todo o seu potencial ao classificar-se em 14º no Campeonato Europeu de Juniores e obtendo o Percurso de Alta Competição.

A classe Optimist teve também uma época alta vencendo todos os títulos regionais e nacionais:

Campeão Regional “B”: Cristian Pistone
Campeonato Nacional: António Matos Rosa
Campeã Nacional: Rita Leal de Faria
Campeões Nacionais por Equipas: António Matos Rosa; Gonçalo Ribeirinho dos Santos; António Mello e João Matos Rosa.

Face a estes resultados o treinador Jorge Lima foi escolhido pela FPV para acompanhar a representação portuguesa.

Os velejadores Rita Leal de Faria e João Matos Rosa participaram no Campeonato da Europa obtendo o 67º lugar feminino e o 132º masculino respectivamente. António Matos Rosa deslocou-se ao Campeonato do Mundo onde obteve o 34º lugar, obtendo também o percurso de Alta Competição.

Gostaríamos ainda de assinalar uma iniciativa que desde há uns anos se vem tornado num ponto de referência dos nosso jovens velejadores – os prémios “Cavalinhos de Ouro”, onde os técnicos, instrutores e treinadores elegem os velejadores que se distinguiram nas mais diferentes categorias. Pela importância que estas distinções representam para os nossos jovens atletas, aqui ficam registados os galardões distribuídos em 2003:

- Velejador Revelação – Cristian Pistone - Optimist
- Velejador com maior Espírito de Equipa – Elmano Costa – Laser
- Velejador mais Dedicado – Frederico P. de Mello – Laser
- Velejador mais Divertido – Carlos Matoso – Optimist
- Treinador do Ano – Jorge Lima – Optimist
- Velejador do Ano – António Matos Rosa - Optimist

2.2.Outras Classes

Mais uma vez as classes Dragão e Snipe foram aquelas que mais actividade e bons resultados obtiveram ao longo de 2003.

Na classe Dragão Patrick Monteiro de Barros/Pedro Becker/Paulo Bastos venceram, mais uma vez, o Campeonato Nacional e a tripulação Henrique Anjos/Pedro Alemão/José Salgado sagraram-se Campeões Ibéricos.

Em Snipes foi notória a qualidade das prestações dos velejadores do Clube. No Campeonato Nacional obtivemos o 2º, 3º, 4º, 8º e 10º.

Nos cruzeiros o projecto “Quebramar/ Chrysler” liderado pelo Gonçalo Esteves, continua a dar cartas ao mais alto nível. A sua participação no Campeonato de Espanha de Cruzeiros – IMS600 valeu-lhe o título de Vice-Campeão de Espanha.

Em Match-Racing as prestações dos nossos velejadores continuaram em bom nível. Francisco Neto venceu as Qualificações Centro e Sul e o Campeonato Nacional. Rita Gonçalves foi a 1ª feminina no Campeonato Nacional Absoluto e venceu o Campeonato Nacional Feminino.

2.3. Equipa Olímpica

Os velejadores do CNC envolvidos em campanhas olímpicas prosseguiram a sua preparação e a procura da qualificação para os jogos

Os resultados obtidos em provas internacionais não foram ainda suficientes para a qualificação:

Star – Afonso Domingos e Bernardo Santos – foram 11º no Campeonato da Europa e 33º no Campeonato do Mundo.

Tornado – Diogo Cayolla e Nuno Barreto – 11º no Campeonato da Europa e 26º no Campeonato do Mundo.

49er – Pedro Andrade e Francisco Andrade – 55º no Campeonato do Mundo

2.4. Organização de Provas

De ano para ano o calendário de provas do Clube tem crescido e tem-se tornado mais consistente. Em 2003 foi reforçado tanto com provas a nível do Clube, as “Club Races”, como com provas oficiais das classes de vela com maior expressão e também com as provas internacionais.

As “Club Races” foram agendadas principalmente na época baixa em que os velejadores não têm competições no exterior. Podemos considerar uma aposta conseguida o alargar a outras classes além dos Optimist, Laser, 420 e Snipe. Temos já sedeados no Clube um razoável número de catamarans,
que poderão beneficiar destas regatas bem como um grupo de sócios proprietários de yachts interessados em competir uma vez por mês. Foram organizadas 12 Clube Rases durante o ano, com maior incidência nos meses de Janeiro, Fevereiro, Outubro e Novembro.

As 13 provas oficiais realizadas, três a nível regional e dez a nível nacional, demonstram a procura que as nossas águas têm, não só pela vela ligeira como pelos cruzeiros que este ano vieram pela primeira vez correr em Cascais os Regionais da ANC, e o Campeonato Nacional de JOD 35 (em 2002 foi Regional).

De destacar também uma série de regatas com muito bom nível, que ajudaram a tornar o calendário mais consistente, entre elas o Troféu Maria Guedes de Queiroz em Snipes com 49 tripulações mistas, o Troféu S. Martinho/Lindley em cruzeiros com tripulações de ANC e IRC a competir e as Regatas de Natal - Quebramar em vela ligeira mais uma vez com numero recorde de participantes (270 barcos e 330 velejadores de 24 clubes).

Há finalmente a salientar as provas internacionais, nomeadamente o campeonato Europeu da Classe Star realizado de 2 a 9 de Setembro com a participação de 75 tripulações, que podemos considerar a nata da vela internacional. Campeões da Europa e do Mundo, medalhados Olímpicos e conhecidos participantes na Taça América, representando vinte e cinco países de três continentes. A organização da prova foi largamente louvada pelos participantes e o Campeonato foi considerado entre os melhores corridos pela classe Star.

Pela primeira vez teve lugar em Cascais o Troféu Príncipe Henrique o Navegador, que juntamente com o Troféu El Rey D. Juan Carlos I, forma o conjunto de regatas portuguesas do “Iberian Championship” da Classe Dragão. Realizadas num espaço de 15 dias e com uma crescente participação de tripulações estrangeiras, demonstrou que o figurino usado foi bem sucedido.

Por seu lado o IV Open de Vela da Costa do Estoril, mercê do grande empenho dos principais patrocinadores, QUEBRAMAR / CHRYSLER, contou com um maior número de participantes estrangeiros e foi uma vez mais uma referência nas regatas de IMS organizadas em Portugal e a nível ibérico. Não fora o vento que teimou em não comparecer e este evento teria um sucesso assegurado.

Em resumo, foram organizados no ano de 2003 sessenta e oito dias de regatas, alguns deles para diversas classes de vela.

Apesar de uma baixa na procura as Escolas de Vela mantiveram o seu nível de actividade.

Os cursos de iniciação à Vela de Cruzeiro continuam a ser bastante procurados.

Foram feitos os investimentos programados na melhoria do equipamento das escolas. No final do ano e com o apoio da Câmara Municipal de Cascais foi possível adquirir 20 novos Optimists.

As acções de formação dos Instrutores continuaram.

2.6. Centro de Treino de Vela

Foi criado o Centro de Treino de Vela do Clube Naval de Cascais. Esta nova estrutura procurará melhorar a capacidade técnica nas diversas vertentes do treino de Competição e Alta Competição, nomeadamente:

- Metodologias de Treino e Ensino
- Formação de Instrutores e Treinadores
- Preparação Física e Medicina Desportiva
- Psicologia Desportiva

Em 2003 foi organizada toda a Documentação Técnica existente no Clube e foram levadas a efeito diversas acções, nomeadamente as palestras de João Cabeçadas, Nuno Barreto, Gustavo Lima, Torben Grael e Álvaro Marinho, acções de formação no campo da medicina desportiva e estágios para várias classes.

Lido 3508 vezes

O CNC é membro de

ICOYC Logo Rodape