Clube Naval de Cascais

PortuguêsEnglish (UK)
 
 
segunda, 30 julho 2012 00:00

Panerai Transat Classique

Persephone Persephone

Foi criada para ser uma boa regata, e acabou por ser fantástica. Prejudicada pelas complicadas condições atmosféricas, a primeira etapa da Panerai Transat Classique 2012 foi um caso de roer as unhas para os concorrentes. O resultado da regata manteve-se indeciso até à linha de chegada.
Os classicos finalmente cruzaram a linha de chegada, ontem, um de cada vez quando o vento finalmente decidiu dar a cara.

Emeraude ganhou o prémio de “Line Honors” para a perna, cruzando a linha às 15:37:57 GMT. A bordo, a tripulação liderada pelo italiano Vittorio Cavazzana sentia uma mistura de satisfação e frustração. Eles estavam satisfeitos por serem o primeiro em tempo real porque a perna de Douarnenez para Cascais foi tanto cansativa como tática. Mas eles também sentiam a frustração pelos tempos corrigidos que os empurrou para baixo da tabela classificativa, apesar de terem liderado quase toda a regata. Os concorrentes atrás deles tinham mais vento, e foram capazes de navegar mais rápidos nas últimas vinte e quatro horas.

O yawl Valteam cruzou a linha chegada menos de uma hora atrás dos italianos e as suas linhas elegantes encantaram os barcos que saíram da marina de cascais para o receberem na linha de chegada.

A vitória final seria decidida nas horas subsequentes, gerando tensão entre os concorrentes e emoção para aqueles que seguiam a regata de terra. O Perséfone foi o próximo a aparecer no horizonte, com a sua equipa focada em melhorar tanto quanto possível o seu tempo corrigido. A sua determinação valeu a pena: O Perséfone ganhou a primeira etapa da Panerai Transat Classique 2012.

Para Yves Lambert, dono de Perséfone, a alegria era imensa, obviamente: "Nós não pensamos que tinhamos hipoteses no início da ragata, e por muito tempo nós pensámos que Emeraude tinha a regata ganha. Foi só quando o vento rodou para o oeste a seguir à passagem do Cabo Finisterra, quando caiu com o vento, que começamos a acreditar que poderiamos vencer. Foi realmente uma grande regata, mesmo indecisa até a linha de chegada." Já Vittorio Cavazzana, olhava para a sua regata com diversão: "É a regata mais lenta que eu já fiz, com cerca de quatro dias de calmaria. Tivemos bastante tempo para conversar, cozinhar e fazer biscates em torno do barco."

Esta primeira etapa da Transat Panerai Classique 2012, confirmou o estatuto da prova como uma das mais intensas e profundamente contestada regata do calendário desportivo clássico. Apesar da página do Atlântico não estar totalmente fechada, os olhos já estão a olhar para o leste para Saint-Tropez e para frota Mediterrânica, que irá partir no dia 25 de Outubro para Cascais, em preparação para a travessia oceânica para Barbados.
Vai ser um grande show.

O CNC é membro de

ICOYC Logo Rodape

botao inscricoes1

Últimas notícias